Archive | agosto, 2010

Total de alunos do 9º ano de públicas que dizem ter matado aula é o dobro do das particulares

31 ago

A PeNSE (Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar) 2009, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mostrou que o percentual de alunos de escolas públicas do 9º ano do ensino fundamental que admitiram ter matado escola nos 30 dias anteriores ao levantamento é mais que o dobro do das privadas. No total, 18,5% de todos eles faltaram às aulas sem autorização dos pais.

Leia mais

http://educacao.uol.com.br/ultnot/2010/08/31/total-de-alunos-do-9-ano-de-publicas-que-dizem-ter-matado-aula-e-o-dobro-do-das-particulares.jhtm

Sistema de cotas

30 ago

Sete em cada dez universidades públicas já adotam algum critério de ação afirmativa, segundo levantamento feito em 98 instituições federais ou estaduais, informa reportagem de Antônio Gois, publicada nesta segunda-feira pela Folha (íntegra disponível para assinantes do jornal e do UOL). Mesmo sem nenhuma lei federal que as obrigue, 70 dessas universidades têm programa de cota ou bônus no vestibular para alunos de escolas públicas, negros, índios e outros grupos.

O assunto divide os especialistas. Parte defende uma lei federal para regular critérios de inclusão ainda tímidos. Para outros, seria um desrespeito à autonomia universitária. Leia a reportagem completa na Folha desta segunda-feira, que já está nas bancas.

Cooperação Itália – Brasil na Educação Infantil, a Profa. Ana Cristina C. Pereira do Uni-BH esteve reunida nos dias 16, 17 e 18 de agosto

30 ago

Dando continuidade as atividades dos dias 13 e 14 para discutir e avaliar o Programa, co-financiado pelo Ministério das Relações Exteriores da Itália durante o triênio 2008-2010, por meio da Secretaria Municipal de Educação e do Programa Infanzia – Infância: A Cooperação Itália – Brasil na Educação Infantil, nos

 dias 16, 17 e 18 de agosto, representantes das escolas, UMEIs, creches, gestores participantes do Programa e assessores das Proposições Curriculares da Educação Infantil, entre eles a professora Ana Cristina C. Pereira do Uni-BH, se reuniram para aprofundar as discussões realizadas durante o Seminário. Os encontros foram no Anfiteatro da Secretaria Municipal de Educação na parte da manhã e da tarde conduzidos pelas italianas:  Mara Davoli (Atelierista e consultora da Reggio Children) e Antonia Ferrari (Professora e consultora da Reggio Children.

III Seminário de intercâmbio Formativo Reggio Emilia – Belo Horizonte: duas cidades, muitas crianças.

30 ago
No dia 14 de agosto, a professora e pesquisadora Ana Cristina C. Pereira e a bolsista da FAPEMIG Kalinka Brant da Silva do Grupo GEIFoPE , participaram do III Seminário de intercâmbio Formativo Reggio Emilia – Belo Horizonte: duas cidades, muitas crianças.
 
As palestras foram ministradas pelas italinas:  Mara Davoli (Atelierista e consultora da Reggio Children) e Antonia Ferrari (Professora e consultora da Reggio Children).
 
Durante o evento, realizado na  PUCMG, foram coletados relatos de boas práticas no contexto da educação Infantil, tendo em vista a pesquisa em desenvolvimento do GEIFoPE ( Grupo de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares de Formação e Prática Docente – UNIBH).
 

Reggio Emília: a arte como ferramenta para construção do processo de conhecimento

30 ago

Após a segunda guerra mundial, um grupo de mulheres da cidade italiana de Reggio Emilia buscava um modelo diferente de escola, integrada à comunidade e com formação pautada na ética e no desenvolvimento de competências. A abordagem educacional foi criada de maneira democrática e tão bem sucedida que acabou sendo municipalizada em 1963 e logo se espalhou por todas as escolas do município. O reconhecimento internacional surgiu em 1991, quando a revista norte-americana Newsweek publicou uma matéria apontando o sistema educacional infantil de Reggio Emilia como o mais admirável do mundo.

Até os dias de hoje, o desenvolvimento pedagógico é feito de maneira democrática, na qual desde os coordenadores até cozinheiros são considerados peças fundamentais para o processo. Na entrevista abaixo, em link, Bruna Elena Giacopini, pedagoga das escolas de Reggio Emilia explica um pouco sobre os conceitos que norteiam esse inovador projeto pedagógico. Formada em pedagogia pela Universidade de Bologna, a profissional integra uma grande equipe que trabalha com uma abordagem baseada no empenho, na pesquisa e na experimentação, onde existe extrema valorização dos alunos como indivíduos e do confronto de idéias para a formulação democrática do conhecimento.

Leia mais no site

http://www.tramaweb.com.br/cliente_ver.aspx?ClienteID=44&NoticiaID=3937

Estudo traz aumento da diferença entre as escolas no ensino básico

26 ago

O DF é uma unidade com alto percentual de professores com mestrado, com doutorado, e isso reflete no processo de aprendizagem”.
http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia182/2010/08/24/brasil,i=209437/ESTUDO+TRAZ+AUMENTO+DA+DIFERENCA

No sábado, 21, o livro de Professores do Uni-BH foi lançado!

22 ago

 O livro “Olhares Plurais sobre o Meio Ambiente: uma visão interdisciplinar”, da Editora Ícone, foi lançado, com a presença de Prof. Ricardo, vice-reitor do Uni-BH, amigos e convidados, na Livraria Quixote.

Os professores Flávio Costa Berutti (História), Marianela Costa F. R. Silva (organizadora), Nali Rosa Silva Ferreira e Renato Araujo Sberk ( Pedagogia), bem como Sebastião Venâncio de Castro (organizador e diretor do Instituto Axis) receberam os cumprimentos de todos, assinaram dedicatórias e confraternizaram juntos por mais essa vitória!

Resenha:
 Este livro é produto dos olhares de um conjunto de autores, plurais na formação profissional, que apresentam sua visão crítica sobre o ambiente, dando um enfoque informativo e reflexivo sobre as possibilidades de compreensão e gerenciamento desse meio em que nos situamos. São apresentadas análises ponderadas da importância da interdisciplinaridade na resposta aos grandes desafios que estão colocados nos dias de hoje.
Esta obra, ao convidar os leitores para a necessidade de articulação dos saberes, apresenta seus capítulos de forma aberta, pois as relações temáticas, por sua amplitude conceitual, não contêm uma linearidade. Qualquer capítulo pode iniciar a leitura do livro, já que a proposta é tecer uma rede de relações entre os olhares apresentados sobre o meio ambiente. Seus organizadores, no entanto, não ignoram a possibilidade de uma construção linear, apenas como uma das possíveis formas de organização de saberes. Convidamos, pois, o leitor a encontrar outras sequências, com lógicas diferenciadas, em que a subjetividade de cada um poderá alterar o nexo lógico da proposta, sem prejuízo da compreensão do todo. O objetivo é contribuir com questões que, hoje, se colocam nestes diversos campos de saberes, em termos da reorganização das suas fronteiras, com convergência em um mesmo tema.